Hábitos financeiros: entenda os efeitos na sua rotina

Como o seu comportamento influencia nos seus hábitos financeiros? Confira as fases de construção de um hábito e como driblar as armadilhas financeiras.

DIVERSOS SAÚDE FINANCEIRA

21 min read

Você sabia que seus hábitos financeiros mais comuns podem ter um efeito avassalador no seu dia a dia? Quer descobrir como isso acontece?

Embarque comigo agora nessa jornada incrível sobre o poder dos hábitos em nossas vidas e saiba como organizar a sua vida financeira, observando sua rotina.

Todos os nossos hábitos financeiros afetam nossa vida!

Abri a porta, entrei e sentei. Olhei em volta e tudo era novo!

Recebi orientação de arrumar os espelhos, colocar o cinto e verificar se estava desengatado.

A tensão começou a crescer, os meus pensamentos estavam a mil. Eram muitas decisões para tomar em milésimos de segundos.

E, então, chegou o momento!

Girei a chave e escutei o barulho do motor ligando… Uau!

Engatei a primeira marcha, soltei devagar o pedal da embreagem e tudo começou a se mover lá fora!

Essa foi a sensação que tive quando entrei em um carro pela primeira vez na condição de motorista.

Eu precisava tomar várias decisões a cada segundo enquanto aprendia a dirigir…

Com o tempo, todo aquele aprendizado começou a fluir naturalmente!

Meu cérebro transferiu todas aquelas informações importantes para o “modo piloto automático”.

E você se pergunta o que aprender a dirigir tem a ver com como organizar a sua vida financeira, correto?

O modo automático que mencionei nada mais é do que um hábito que foi criado a partir de um aprendizado, e repetido tantas vezes que simplesmente não paramos para pensar sobre o que estamos fazendo.

Imagine, por exemplo, se você tivesse que decidir de forma consciente todos os dias pela manhã se amarra o cadarço do seu sapato direito ou esquerdo!

Se você escova os dentes antes de passar o fio dental ou se faz o contrário.

Essas pequenas decisões não são tomadas conscientemente porque já viraram uma rotina – um hábito – e fazemos essas coisas praticamente sem pensar a respeito delas.

E isso pode afetar a sua vida financeira com bastante força!

Continue lendo este artigo e surpreenda-se com o poder e impacto dos hábitos financeiros em sua vida!

O que são hábitos? A sua vida financeira no piloto automático

Hábitos são escolhas que todos nós fazemos em algum momento e sobre qualquer aspecto de nossas vidas que, depois de certo tempo, simplesmente tornam-se “naturais”.

Uma escolha pode ser considerada, de fato, um hábito quando paramos realmente de pensar sobre ela e continuamos repetindo-a praticamente todos os dias, como, por exemplo, colocar a pasta na escova antes de escovar os dentes.

William James, que foi um dos fundadores da psicologia moderna, escreveu o seguinte em 1892:

Toda nossa vida, na medida em que tem forma definida, não é nada além de uma massa de hábitos.

A maior parte destas escolhas e decisões afeta a nossa vida financeira de algum modo, seja direta ou indiretamente, originando hábitos financeiros desastrosos para sua vida!

Quando você decide ir para o trabalho de carro e não de transporte público, terá mais gastos.

Escolher ir até aquele restaurante que você adora todas as semanas em vez de melhorar os seus dotes culinários, deixando o restaurante somente para ocasiões especiais, também afetará as suas finanças pessoais.

Decidir trocar de carro, comprar uma casa num bairro melhor, tomar um café expresso ou comer uma barra de chocolate todos os dias, não afetam somente a sua vida social ou a sua saúde física.

Todas essas decisões e escolhas vão, de uma forma ou de outra, causar impacto em sua vida financeira!

Essas decisões, ao longo do tempo, se tornarão hábitos e, a partir disso, o modo piloto automático começa a funcionar.

Vai parecer que você toma decisões conscientes sobre todos os aspectos de sua vida.

Coisas como o que você come no restaurante, o caminho que você faz para o trabalho, a sua rotina de exercícios, se você gasta todo o seu dinheiro ou se guarda uma parte para investir, com o tempo, poderão virar rotinas que você nem percebe, mas vão continuar acontecendo dia após dia.

Fumar e beber, por exemplo, começam como escolhas que você fez em algum momento da sua vida e, depois de um tempo “praticando”, poderão virar hábitos e, por fim, vícios.

Em 2006, um pesquisador da Duke University dos Estados Unidos publicou um artigo que mostrava que cerca de 40% das nossas ações não eram decisões, de fato, e sim hábitos.

Mas não se assuste!

Na verdade, os hábitos são inevitáveis e benéficos em nossas vidas, pois imagine como seria ter que tomar decisões conscientes sobre tudo?

Provavelmente, chegaríamos ao fim de cada dia totalmente esgotados pelo cansaço mental.

Por isso, é importante ter sempre em mente que a sua vida financeira é afetada pelas escolhas que você faz.

E essas escolhas, mesmo as que você julga pequenas, começam a fazer enorme diferença dentro do seu planejamento financeiro pessoal!

Como novos hábitos se formam?

Você sabe o que são gânglios basais?

Imagine o cérebro como uma cebola, com várias camadas.

Cada camada é responsável por alguma ação que tomamos, percepções e assim por diante.

Nas camadas externas acontecem os pensamentos mais complexos, como quando você resolve algum problema complicado ou pensa sobre algo importante que precisa ser feito.

No fundo do cérebro estão as camadas mais antigas, que são responsáveis pelos nossos comportamentos automáticos ou nossos instintos, como respirar, por exemplo.

Mais para o centro do crânio estão os gânglios basais.

No começo dos anos 90, pesquisadores do Massachusetts Instituteof Technology (MIT) começaram a desvendar o quanto os gânglios basais eram importantes para a formação dos hábitos.

Por meio de experiências com ratos, descobriram que aqueles com lesões nesta parte do cérebro tinham dificuldades de atravessar labirintos ou memorizar como abrir potes de comida, mesmo os bichos já usados em testes anteriores .

Numa das experiências os ratos eram colocados num labirinto em forma de “T” atrás de uma portinhola.

Quando os pesquisadores abriam, ouvia-se um “clique” e o rato poderia ir até o final do “T”.

A comida estava do lado esquerdo e, do lado direito, não havia nada.

Depois de certo tempo, os ratos aprenderam o caminho da comida e o monitoramento de seus gânglios basais mostrava que os seus cérebros necessitavam de cada vez menos esforço para encontrar a comida.

O cérebro, para evitar desperdício de energia, assumia os padrões conhecidos e simplesmente ligava o modo automático para chegar até a comida.

Esse mesmo efeito acontece conosco.

No início do artigo descrevi a sensação que tive quando dirigi pela primeira vez.

Contudo, hoje em dia, não tenho mais aqueles sentimentos de tensão e nem vários pensamentos acontecendo ao mesmo tempo.

Quando entro no carro para dirigir, o meu cérebro reconhece uma situação corriqueira e deixa todas as informações armazenadas ao meu dispor para diminuir o esforço que seria necessário.

Mas, com todos esses estudos e pesquisas, os hábitos estão sendo desvendados e, cada vez mais, podemos entendê-los melhor.

Loop do hábito e um ingrediente inesperado: Ansiedade

Imagine-se em qualquer uma dessas situações:

  • Em uma sala de reuniões na empresa em que você trabalha

  • Na sala de aula da universidade onde você estuda

  • No seu barzinho preferido, acompanhado de vários dos seus melhores amigos

Agora imagine que o celular de alguém emite um sinal sonoro que indica a chegada de uma mensagem de texto ou um e-mail. Pode ser o seu celular, inclusive.

O que acontece?

Provavelmente, a maior parte das pessoas à sua volta e até você vai pegar o celular e olhar qual foi a mensagem que chegou.

Isso acontece o tempo todo com as pessoas que convivo diariamente e, é claro, comigo também.

É um hábito recente.

Mas, afinal de contas, o que é o loop do hábito?

De forma resumida, é uma sequência que se repete toda vez que você faz algo no piloto automático, sem pensar muito a respeito, como pentear seu cabelo para o lado esquerdo ou lado direito.

O loop do hábito é formado por 3 elementos básicos, que são:

  • Deixa

  • Rotina

  • Recompensa

  • Existe, ainda, um 4º elemento, muito importante, que faz com que o hábito realmente aconteça: a ansiedade!

No exemplo do celular, a deixa é o sinal sonoro, a rotina é pegar imediatamente o celular para olhar se a mensagem é para você e a recompensa é a distração momentânea de olhar o celular.

Neste contexto, o anseio está justamente na distração momentânea que o hábito proporciona. Ou mesmo na espera de uma mensagem importante ou de alguém importante.

Mas é interessante conhecer cada um dos elementos que formam o loop do hábito e quais os impactos deles em sua vida financeira.

Deixa

A deixa é o elemento que faz com que o hábito seja iniciado.

Levando em consideração a área do dinheiro, em sua vida, as deixas estão presentes nos seus hábitos financeiros de consumo.

Quando você vai ao supermercado, a deixa pode ser um anúncio que você viu ou um cartaz de promoção.

As prateleiras estão cheias de deixas para o consumo.

Se você compra um pacote de espaguete, logo ao lado, você encontrará o molho de tomate e, em seguida, uma oferta de queijo parmesão ralado.

Cada item serve de deixa para o outro e, assim, você aumenta o seu consumo. Caso não tenha feito uma lista de compras, você pode acabar comprando os três itens, mesmo sem ter necessidade de todos.

Rotina

A rotina é mais simples de explicar e identificar.

É a ação em si.

Se você está em casa e sente que o dia está esquentando, neste caso, isso é a deixa. Sua rotina será ligar o ar-condicionado e você faz isso sem pensar muito a respeito. Apenas liga o aparelho para aliviar o calor.

Você não avalia realmente se está calor o suficiente para ligar o ar-condicionado.Talvez apenas um ventilador já resolveria o seu problema.

Recompensa

A recompensa é exatamente isso: o prêmio pela rotina que se desenvolveu até ali.

Todos os dias, logo que termina de almoçar (deixa), você vai até a loja da Starbucks mais próxima, pede um café expresso ou um frappuccino (rotina) e aproveita aquele momento de lazer com os seus amigos antes de voltar para encarar o resto do dia de trabalho (recompensa).

Outra recompensa possível seria o sabor da sua bebida preferida.

Seria possível substituir a bebida por outra ou mesmo aproveitar o momento de lazer com os seus amigos sem necessariamente consumir algo?

Ansiedade

A ansiedade gira em torno dos três elementos do loop do hábito.

No supermercado, quando você passa pelo corredor das massas para comprar o espaguete e não tem certeza se na sua casa tem molho de tomate e queijo parmesão ralado, o fato de não ter certeza gera um anseio em você.

Esse anseio faz com que você compre os outros itens “para garantir” que a sua massa saia perfeita.

No segundo exemplo, o do ar-condicionado, você anseia pelo alivio do calor que está sentindo e diz a si mesmo: “ligue o aparelho e não passe nem um minuto de calor”. E a rotina foi acionada.

Já no caso do café expresso ou do frappuccino, você pode ter dois anseios.

O primeiro pode ser pelo sabor que você espera pelo que foi pedido. Você já sente a sensação antes mesmo de pegar a bebida.

O segundo pode ser pelo momento de descontração com os seus colegas de trabalho antes de voltar ao expediente.

A ansiedade tem papel importante na formação dos hábitos, principalmente se levarmos em consideração os hábitos financeiros, e em como eles podem ser mudados.

Até mesmo grandes empresas usam o loop do hábito e os anseios de seus clientes para melhorarem os seus resultados.

Como os seus hábitos são usados “contra” você? (Case Target)

Você conhece a Target?

É uma das gigantes empresas do setor varejista dos Estados Unidos, atrás apenas do Walmart.

A empresa usa dados de compras de seus clientes para identificar os hábitos de consumo deles e oferecer as melhores ofertas de produtos que estão à disposição em suas lojas e, claro, aumentar as vendas e os resultados financeiros!

Como a Target “descobre” que suas clientes estão grávidas?

A Target tem um modelo tão avançado – baseado em hábitos e padrões de consumo – para descobrir o que os seus clientes querem ou precisam comprar, que chegou a causar uma saia justa para uma de suas clientes.

No cruzamento e na análise dos dados, a empresa “descobriu” que uma cliente estava grávida e mandou pelo correio cupons de desconto para carrinhos de bebê e produtos para montar o enxoval da criança.

Acontece que o pai da cliente, uma adolescente que estava cursando o segundo grau, recebeu os cupons, sentiu-se ofendido e foi até loja reclamar.

Quando um representante da loja entrou em contato com o cliente alguns dias depois para pedir desculpas pelo ocorrido, ele descobriu que as análises da empresa estavam certas.

O pai da cliente disse que ela realmente estava grávida, apenas não havia contado para ele ainda.

Veja o poder que os hábitos têm em sua vida financeira!

“Apenas” cruzando dados de clientes, a loja descobriu padrões de consumo que fizeram os seus resultados saltarem milhões de dólares.

Fraldas e cervejas = mais vendas

Outro exemplo interessante foi sobre mandar cupons de descontos e dispor os produtos na loja de uma forma que pareciam não fazer sentido.

Por exemplo, mandar cupons de descontos de fraldas descartáveis junto com descontos em cervejas.

A Target descobriu que essa estratégia dos cupons e a disposição dos produtos nas lojas faria com que os pais que fossem comprar fraldas, também aproveitassem as ofertas para comprar algumas embalagens de cervejas.

E resultado melhorou novamente.

A sua vida financeira está totalmente ligada aos seus hábitos de consumo (hábitos financeiros)

Como você viu nos exemplos da Target, os seus hábitos de consumo podem ser utilizados para te influenciarem a comprar mais.

O McDonalds tem uma estratégia para iniciar um loop do hábito assim que você entra em qualquer uma de suas lojas.

Repare que sempre existe um funcionário limpando. Isso é feito para que você perceba que a loja está sempre em perfeitas condições (apesar de não ser verdade sobre algumas lojas).

Assim que você chega ao caixa para fazer o seu pedido, tudo o que é falado pelo atendente é pensado para desencadear os seus anseios de consumo dos produtos da rede que você já conhece, como hambúrguer, batatas fritas ou sundae.

O primeiro passo para evitar as armadilhas de consumo e fazer compras mais conscientes é entender como os seus hábitos financeiros podem ser mudados para melhor.

Podemos trazer esses exemplos para o nosso dia a dia para compreender como somos influenciados e como isso pode afetar nossa vida financeira. Mas afinal, tendo isso em mente, como organizar a sua vida financeira?

Observe seu comportamento e seus hábitos financeiros

Os hábitos nunca desaparecem, de fato.

Porém, eles podem ser substituídos, ignorados ou alterados.

Isso é uma vantagem, pois imagine se você tivesse que reaprender a dirigir e tomar aquelas decisões a cada vez que entrasse no carro.

Não se engane, pode ser difícil mudar um hábito há muito tempo desenvolvido.

Exige disciplina e força de vontade!

Mas saber como funciona e entender como o hábito se desenvolveu são grandes passos para implementar a mudança desejada.

Minha sugestão é que você comece criando o hábito de controlar os seus gastos.

Além de controlar os seus gastos, saber como economizar dinheiro pode ajudar você a como organizar a sua vida financeira.

Mas, afinal de contas, existe algum método para mudar um hábito ruim?

A resposta é sim e não. Ficou complicado?

É que existe um método com uma regra simples que pode ser aplicada a qualquer caso. Porém, cada caso é um caso.

As pessoas são diferentes, tem comportamentos diferentes e, por isso, o que funciona para um pode não funcionar para outro.

O segredo é entender como o método funciona e adaptá-lo da melhor forma para você.

Uma regra simples para mudar os seus hábitos financeiros

Para começar esta etapa, lembre-se do loop do hábito e os seus três elementos: deixa, rotina e recompensa.

A forma mais eficiente para modificar um hábito é alterar a rotina, enquanto a deixa e a recompensa continuam intactas.

Veja um exemplo que pode impactar e ajudar a como organizar a sua vida financeira.

Muitas pessoas descarregam as suas frustrações fazendo compras.

Portanto, de acordo com a lógica da formação do hábito, temos a seguinte situação:

A frustração por algo que aconteceu de errado seria a deixa.

O ato de comprar seria a rotina. E gostaria de fazer uma observação neste ponto.

Existem inúmeras formas de tentar amenizar o sentimento de frustração por algo de errado que aconteceu. Como exemplo extremo, há pessoas que usam entorpecentes para aliviar a tristeza.

Mas vamos manter o foco nas pessoas que lidam com essas frustrações fazendo compras para aliviar as tensões, já que é o objetivo deste exemplo.

E, por último, como recompensa, essa pessoa tem o sentimento de conquista por ter adquirido um bem que desejava.

Não podemos esquecer a ansiedade.

Neste caso, é o anseio pela conquista de algo novo, um novo item do guarda-roupa, um novo celular, entre outras coisas que podem amenizar o sentimento de tristeza momentaneamente.

Agora, vamos fazer um exercício mudando somente a rotina.

A deixa, que é o sentimento de frustração, e a recompensa, que é o sentimento de conquista, permanecem os mesmos.

O que a pessoa poderia fazer para substituir a rotina de fazer uma compra, que pode ser prejudicial à sua vida financeira, por outra rotina e alcançar a mesma recompensa que, neste caso, é o sentimento de conquista?

É nesta etapa que cada pessoa terá que fazer uma reflexão mais profunda, pois o que funciona para alguns pode não funcionar para outros.

Por exemplo, para algumas pessoas, talvez uma nova rotina de exercícios seja suficiente.

Para outros, isso não vai funcionar, mas talvez um encontro ou uma ligação para algum amigo seja uma boa rotina substituta.

Existem diversas possibilidades.

É necessário testar e ver o que funciona.

Portanto, o novo hábito seguiria esta ordem:

  • Deixa > Frustração por algo de errado que aconteceu

  • Rotina antiga > Fazer uma compra (sapato, tênis, roupas etc.)

  • Rotina nova > Fazer exercícios, praticar um hobby etc.

  • Recompensa > Sentimento de conquista/realização

Dedique parte do seu tempo e faça esse exercício aplicando esta regra a algum hábito que você queira mudar e avalie quais são possibilidades de sucesso.

Pergunte-se:

  • Quais são as deixas para os meus comportamentos de consumo?

  • O que acontece quando a minha rotina de compra é acionada?

  • Que recompensas busco em cada situação?

Mudar um hábito exigirá de você disciplina e força de vontade.

Aprender sobre como são formadas e identificar as deixas, rotinas e recompensas são os passos iniciais.

Dedique algum tempo e pense quais são os seus principais hábitos financeiros de compra e que podem de prejudicar em como organizar a sua vida financeira.

Existem muitos hábitos que, quando modificados ou desenvolvidos da forma correta, ajudam na mudança de outros, criando, assim, um efeito cascata poderoso.

Aprender a identificar esses hábitos é uma das chaves do sucesso para tornar a sua vida financeira mais organizada.

Hábitos angulares: crie um efeito avassalador em como organizar a sua vida financeira (hábitos financeiros)

Paul O’Neill, ex-presidente da Alcoa:

Você não pode mandar as pessoas mudarem. Não é assim que o cérebro funciona. Por isso, decidi que era melhor começar enfocando uma única coisa.

Se eu pudesse começar desmanchando os hábitos relacionados a uma única coisa, isso se alastraria pela empresa toda!

Você conhece alguém que passou a praticar exercícios físicos e, depois de um tempo, essa mesma pessoa passou a alimentar-se melhor, consumir menos bebidas alcoólicas e talvez até tenha parado de fumar?

O que desencadeou essa avalanche de bons hábitos foram os exercícios físicos.

Neste caso, eles funcionaram como um hábito angular, capazes de provocar um efeito avassalador quando bem pensados e desenvolvidos.

Passei por um momento em minha vida financeira muito complicado, com muitas dívidas e desorganização.

Mesmo sem saber, desenvolvi um hábito angular tão poderoso que gerou uma série de outros hábitos financeiros que deixaram as minhas finanças pessoais em ordem dali para frente.

Ação – Como melhorar sua relação com o dinheiro, observando seus hábitos financeiros (meu #mini ritual de cuidado)

Eu passei a anotar todos os meus gastos! Esse simples fato fez com que a minha vida financeira passasse do caos à organização total.

Preparei uma planilha para controlar tudo o que eu recebia e gastava ao longo do mês e anotava todos os dias.

Com o tempo, passei a poupar dinheiro de forma disciplinada e, após alguns meses, estava investindo o meu dinheiro, coisa que nem pensava ou sabia como fazer anteriormente.

Não sabia que naquele momento eu estava desenvolvendo um hábito angular. O fato é que realmente ele gerou uma série poderosa de boas medidas e acredito que você pode fazer o mesmo.

Como identificar e desenvolver um hábito angular para melhorar a sua vida financeira

Identifiar um hábito angular não é trivial. Pode até ser complexo, na verdade.

Mas existe um método que vai ajudar você nesta tarefa.

Você precisa descobrir como conseguir “pequenas vitórias”!

O nadador Michael Phelps tem uma história de desenvolvimento de hábitos angulares que foram pensados estrategicamente pelo seu treinador desde quando ele tinha 7 anos de idade.

Ele começou com um exercício de relaxamento, que a mãe de Phelps lia num livro dado de presente pelo treinador toda noite.

O treinador tinha convicção de que Michael Phelps poderia ser um campeão olímpico, mas, para isso, ele precisava desenvolver uma força mental tão poderosa que seria o fator determinante entre ganhar e perder em meio a tantos atletas de elite que competem numa olimpíada.

Ao longo de seu desenvolvimento, Phelps e seu treinador testaram várias formas de conseguir atingir pequenas vitórias.

A que mais funcionou foi um método que eles chamavam de “assistir a fita”.

Não era uma fita de vídeo de verdade. O que acontecia, na realidade, era que Phelps, todas as noites antes de dormir e pela manhã, logo ao acordar, fechava os olhos e imaginava um dia perfeito de competição.

Ele se imaginava chegando para a prova, as pessoas nas arquibancadas, os adversários postados esperando o início e o locutor chamando o seu nome…

Depois, ele imaginava a prova perfeita, cada braçada fluindo melhor que a outra e uma arrancada final – que era a marca dele – para aniquilar todos os adversários da piscina.

Além de “ver a fita”, todos os detalhes em dias de provas eram milimetricamente pensados e planejados, desde o café da manhã, o alongamento, o aquecimento e até mesmo as músicas que tocavam em seu mp3 player.

Tudo acontecia como o planejado e, quando Phelps vencia a prova, esta vitória maior era apenas uma extensão de tantas pequenas vitórias que ele havia conseguido ao longo do dia.

Ele estava acostumado a vencer! A sua força mental era de um vencedor. Era maior que a de todos os outros competidores!

Quando eu comecei a anotar os meus gastos diários, passei a enxergar várias oportunidades de economizar dinheiro e tantas outras para poupar e investir e, a cada nova conquista, ficava muito feliz. E isso se tornou um hábito financeiro prazeroso e natural na minha vida.

Cada dívida quitada, cada investimento feito eram pequenas vitórias em meio ao caos que estava a minha vida financeira naquele momento (mais um ponto para meu novo hábito financeiro ????).

E o que desencadeou tudo foi o simples fato de passar a anotar os meus gastos todos os dias.

Quando consegui pagar todas as minhas dívidas, passei a focar nos investimentos e em qual seria o caminho que eu precisaria trilhar para conseguir ser independente financeiramente.

Esse anseio pela independência financeira me acompanha até hoje e estou cada vez mais perto de alcançar este objetivo.

Use a ansiedade para transformar a sua vida financeira

Num dos tópicos acima falei sobre o loop do hábito e como os seus três elementos – deixa, rotina e recompensa – podem ser utilizados para descobrir como os seus hábitos se formam.

Comentei também sobre a ansiedade e como ela gira em torno dos três elementos.

Imagine que você conseguiu identificar um hábito financeiro e que pode mudá-lo diminuindo a frequência de idas a restaurantes caros. Esse fator influencia a sua vida financeira.

Sua deixa pode ser, por exemplo, passar pela rua do restaurante todos os fins de semana ao voltar da casa da sua sogra ou da sua mãe.

O fato de passar em frente ao restaurante desencadeia em você um anseio pela ótima comida e o bem-estar de jantar em um lugar tão bom. Então, a rotina de ir até lá acontece.

Sua recompensa é o sabor da comida ou mesmo o status de poder comer num restaurante badalado toda semana.

Você percebeu que no exemplo o anseio pela boa comida e o bem-estar de jantar naquele ambiente alimentaram o seu hábito (sem trocadilhos :-))?

Neste exemplo você identificou os três elementos do loop do hábito e, de quebra, o anseio que alimenta o seu desejo de ir até lá.

A solução é usar o anseio ao seu favor.

Se você combinar o uso do anseio gerado ao seu favor com a regra da mudança de hábito, que é manter a deixa e a recompensa e mudar somente a rotina, você terá em suas mãos uma ferramenta matadora para a mudança de qualquer hábito financeiro que influencia na forma como lida com o dinheiro.

Neste caso, você poderia aproveitar aprender algumas receitas realmente muito boas, além de criar um ótimo clima em sua casa, ao menos parecido com o do restaurante que você gosta.

Dessa forma, assim que você passasse em frente ao restaurante, mudaria a sua rotina imediatamente, preparando um belo jantar em casa.

Se as coisas saírem realmente boas, em pouco tempo, a sua ansiedade será pelos seus jantares em casa e não mais pelos jantares nos restaurantes.

E claro que você não precisa deixá-lo de lado totalmente. Com a sua vida financeira organizada, permita-se ir até lá uma vez por mês e também em ocasiões especiais e aproveite os prazeres com mais tranquilidade.

Para que essas mudanças sejam realmente possíveis, você precisa de disciplina e força de vontade.

E a força de vontade é um hábito angular e dos mais importantes e poderosos.

Como desenvolver o hábito da força de vontade – e melhorar seus hábitos financeiros

Dezenas de estudos mostram que a força de vontade é o hábito angular mais importante de todos para o sucesso individual”, Charles Duhigg.

Sim, a força de vontade é um hábito angular e o mais impressionante é que, cada vez mais, estudos são feitos para provar que ela pode ser desenvolvida.

É como se você entrasse em uma academia e fizesse exercícios para aumentar os músculos da sua força de vontade e não dos seus bíceps ou tríceps.

Na década de 90, uma universidade dos Estados Unidos (Case Western Reserve University) fez um estudo simples e brilhante sobre como você pode gastar a sua força de vontade em algumas tarefas e depois não ter reservas para tentar outras tarefas logo em seguida.

Vários estudantes foram convidados para participar, supostamente, de um teste de sabores.

Eles entrariam numa sala com duas tigelas, uma cheia de rabanetes e outra cheia de cookies com gotas de chocolates quentinhos que tinham acabado de sair do forno.

O grupo foi dividido em dois e cada um deles recebeu instruções diferentes.

  • O primeiro grupo deveria ignorar os cookies e comer somente os rabanetes.

  • O segundo grupo deveria ignorar os rabanetes e comer somente os cookies.

Quando os pesquisadores saíram e ficaram observando em outra sala espelhada a reação dos estudantes, perceberam rapidamente que as pessoas que precisavam ignorar os cookies estavam fazendo muito mais esforço.

Os pesquisadores voltaram à sala e disseram que iriam continuar os testes de sabores, mas que precisavam esperar alguns minutos.

Enquanto isso, pediram a todos que resolvessem um quebra-cabeça simples, que consistia em traçar uma linha com um lápis sem tirá-lo do papel.

Na verdade, essa era a parte mais importante da pesquisa, pois o quebra-cabeça era insolúvel.

E, para continuar tentando durante muitos minutos, as pessoas na sala precisariam de muita força de vontade.

Após cerca de 20 minutos, os pesquisadores voltaram e encerraram os testes.

Nas medições ficou claro que as pessoas do grupo que precisava ignorar os rabanetes tentaram resolver o quebra-cabeça, em média, durante 19 minutos.

Já as pessoas do grupo que precisava ignorar os cookies tentaram, em média, por 8 minutos, o que representa 60% a menos.

Eles gastaram a força de vontade para ignorar os cookies quentinhos e, quando surgiu outra tarefa monótona, eles não conseguiram manter a concentração por muito tempo.

Quando eu comecei a organizar a minha vida financeira e melhorar meus hábitos financeiros por meio das minhas anotações, cada vez que eu tinha um imprevisto, precisava renovar a minha força de vontade e seguir em frente para pagar todas as dívidas.

Mas a força de vontade pode ser desenvolvida em outros aspectos da sua vida.

Treine a sua força de vontade. Quanto mais você usá-la, mais forte ficará e passará a transbordar para todos os lados.

Inspiração

Este artigo foi inspirado e baseado no livro “O poder do hábito. Por que fazemos o que fazemos na vida e nos negócios”, de Charles Duhigg.

Realmente recomendo a leitura do livro para todos que quiserem se aprofundar ainda mais neste tema, que é muito interessante e está no centro de nossas vidas.

Tudo que fazemos gira em torno de hábitos bons ou ruins!

E, como mencionei algumas vezes ao longo do artigo, aprender como os hábitos se formam já é o primeiro passo muito importante de uma mudança para melhor.

Recapitulando

Chegamos ao final.

Neste artigo vimos como os seus hábitos financeiros e não financeiros influenciam em todas as áreas de sua vida.

Como os hábitos se formam dentro do “loop do hábito” com seus 3 elementos que são: deixa, rotina e recompensa.

Vimos como a ansiedade está ligada aos três elementos e como ela pode ser usada a seu favor para mudar os seus hábitos e a sua vida financeira para melhor.

Contei sobre o caso da Target, empresa americana de varejo que usa dados históricos de consumo para fazer seus estudos e chegou ao ponto de “descobrir” que suas clientes estão grávidas, além de juntar no mesmo corredor fraldas e cervejas para aumentar os seus resultados.

Na parte sobre hábitos angulares, vimos como Michael Phelps desenvolveu uma mentalidade vencedora para tornar-se campeão olímpico e como você pode usar a mesma estratégia em sua vida financeira.

No tópico final, você viu como a força de vontade é essencial e é também o hábito angular mais poderoso.

Seja persistente na organização de suas finanças pessoais. Você do futuro vai agradecer os hábitos financeiros observados e adquiridos no presente.

Conclusão: A forma como você lida com o dinheiro para pela observação do seu comportamento de consumo e hábitos financeiros

Ao longo do artigo, procurei dar o máximo de exemplos possíveis de como os nossos hábitos influenciam em nossa vida financeira.

Se pensarmos friamente, praticamente todas as nossas escolhas e decisões – que podem virar hábitos ou não – influenciam de alguma forma em nossas finanças pessoais.

Se você tem problemas financeiros atualmente, se está com dívidas ou com muita desorganização, faça uma revisão em toda a sua vida financeira e, com certeza, encontrará uma solução.

Espero que o conteúdo tenha sido útil para você.

Até o próximo artigo!

Camila Miranda | Faume